Destaque

Como uma revolução de esquerda ajudou os capitalistas a vencerem

Os protestos de maio de 1968 transformaram o mundo ocidental. Hoje, quase 50 anos depois, está claro que o movimento supostamente de esquerda acabou ajudando o capitalismo a triunfar. Embora um imenso abismo separe a revolução social da década de 1960 dos protestos atuais, testemunhamos uma reapropriação semelhante da energia da revolta pelo sistema capitalista. Um dos slogans mais conhecidos pichados nos muros de Paris em 1968 era: "as estruturas não caminham pelas ruas", ou seja, não era possível explicar as grandes manifestações de estudantes e trabalhadores de 68 nos termos do estruturalismo. E é por isso que alguns historiadores até postulam 1968 como a data que separa o estruturalismo do pós-estruturalismo...

Entrevista conduzida pela jornalista Julia Michaels

A primeira Conversa Pública de 2018 trouxe para centro do debate o Grupo Globo e os impactos econômicos, sociais e culturais que o conglomerado tem no Brasil. A entrevista...

Artigo: “Rebelião contra as redes sociais”

Sean Parker sempre foi uma pessoa polêmica. Não por acaso foi o criador do Napster, a plataforma de downloads que deu uma rasteira na indústria fonográfica nos anos...

O legado indefensável e o dilema de Michel Temer

Michel Temer é um presidente no mínimo intrigante. Com menos de 5% de aprovação pela população, tem insistido que, para contar com seu apoio, o candidato a...

Leia Também:

[21/02/2018] - Feira: PL que institui Política Municipal de Atenção ao Idoso é aprovado
[21/02/2018] - Bahia sai da crise de vez e ICMS arrecada R$1.9 bi em janeiro
[21/02/2018] - Da Política da Terra Arrasada à Luta pela Dignidade

A intervenção no Rio e sua face (muito) lucrativa

Primeiro se provoca uma gigantesca recessão, com a desculpa de controle da inflação. O resultado é o único possível, a arrecadação tributária despenca e os...

Leia Também:

[21/02/2018] - Ilhéus: Hospital privado atenderá pediatria pelo SUS
[21/02/2018] - Monte Santo: Fábrica de armas artesanais é encontrada
[21/02/2018] - Governo quer alterar regras de aposentadoria, mesmo com intervenção

Censura: A ilegitimidade do regime de exceção

A censura ao vampiro neoliberalista no desfile das campeãs do carnaval representa novo flerte do golpe com o arbítrio. É uma medida que confirma, uma vez mais, uma...

Leia Também:

[21/02/2018] - OSBA realiza duas últimas edições do “Verão com as Cameratas”
[21/02/2018] - Barra: Médico invade área de fundo de pasto de comunidade
[21/02/2018] - Como celulares roubados são desbloqueados e vendidos no Facebook

Planos de segurança no Rio: três décadas de fracassos

Os holofotes sempre se centram no Estado e na cidade do Rio de Janeiro quando o assunto nacional é segurança pública — apesar de que em outras unidades da federação...

Leia Também:

[21/02/2018] - Porto Seguro: Food trucks ocupam orla e brigam por espaço
[21/02/2018] - Bahia: Militância do DEM compra briga com MBL
[21/02/2018] - Agricultores familiares protestam por mais segurança no campo

A intervenção civil-militar e o cerco à democracia

A quarta-feira de cinzas para a democracia foi de chumbo. Voltamos do Carnaval com uma intervenção federal no comando da segurança pública do Rio de Janeiro...

Leia Também:

[21/02/2018] - Jequié: UPA realizou mais de 64 mil procedimentos em 4 meses
[21/02/2018] - Bahia: Leur confirma saída do comando da oposição
[21/02/2018] - Depois de início de devassa, Huck desiste da presidência

Todo esse rolo tem um nome só: a candidatura Temer

Michel Temer e sua turma não vão largar o poder assim facilmente, depois de tê-lo tomado com um golpe de mão parlamentar. Para isso, o que precisar ser feito eles farão, sem...

Leia Também:

[21/02/2018] - Camaçari: Presidente da Câmara volta a defender vereadores
[21/02/2018] - Presidente do TJ-BA faz análise da situação atual da Corte
[21/02/2018] - A China sabe muito sobre o Brasil e nós muito pouco sobre eles